Sarau “Noite entre Fios e Hortênsias”

Foi um momento especial promovido pela nossa querida escritora e associada Rita de Cássia Alves. Realizado no “O Sebo Livrarias”, o Sarau “Entre Noite e Hortênsias” celebrou a chegada da primavera com muita literatura, poesia, música, exposição e performance artística. Confira registros do evento e fique por dentro dos acontecimentos da literatura de nossa cidade em nosso site e blog.

Anúncios

Sarau da Primavera

No próximo dia 22 de setembro, a nossa associada Rita de Cássia Alves promove o Sarau “A Noite entre Fios e Hortênsias, com muita poesia, exposição e participação musical de Fio José e Alan. Convidamos a todos para celebrar o início da primavera nesse evento especial. 

img-20160906-wa0000

Devaneios Olímpicos

rio-2016-3

Afora a vaidade humana – a Olimpíada, espetáculo raro -, sacode não só com os atletas, mas com todos os aficionados por esporte – torcedores de plantão ou não. E, glórias e fracassos a parte, 2016 entra para a história. Até aí nada demais. Brasil é Brasil. E a Olimpíada para o bem e para o mal é por aqui. Portanto, não há como fugir ao troar dos canhões de Villegagnon. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. À luta, às armas, portanto, ó bravos brasileiros! E, não poderia ser diferente. Quanto ao show de abertura – rescaldo à parte -, houve vaias ao presidente interino, Temer, por ocupar supostamente de forma indevida a vaga de Dilma – a titular. Contudo, se lá estivesse também não seria poupada. Nelson Rodrigues, em tempo, dera o alerta: – No Maracanã se vaia até minuto de silêncio. Atrevimento obviamente descabido, nunca dantes por aqui, em terras tupiniquins com tantos moicanos rondando ribanceiras; ou por outra, rodando bolsas. Vaias – sejamos realistas -, revelam sabedoria, e também indignação: sentimentos aparentemente irreconciliáveis, mas necessários, sobretudo nestes tempos bicudos. Das duas uma: ou desopila-se o fígado ou morre-se de tédio. Alguém terá que pagar a conta, e é bom que se apresente antes que seja tarde.

Os canais de televisão deitaram louros à abertura. Nada modesta para muitos, soberba para a maioria. Nenhuma coisa, coisa outra. Apenas o necessário. O que seria de uma Olímpiada sem uma abertura à altura das vaidades humanas. Alvissarás..! E quem diria: Gisele rouba a cena, e faz justiça aos demais deserdados. E o desfile das delegações, então. Trajes deslumbrantes de uns, trajes augustos de outros. Vestal dos sonhos… Saias voam. Raios que o partam! Insinuações à parte, os humanos continuam os mesmos. Menos mal. Mas sejamos razoáveis: louvação ao diabo é que não faltam e nunca faltarão.

Na antiguidade já se dizia: os jogos olímpicos mais servem ao mundo e ao entorno: ambulantes a vender miçangas e cocares; e nos tempos modernos: pipoca, cachorro-quente e espetinho; há os que mendigam e os que surrupiam; e há a plateia a apreciar atletas que correm atrás da glória antes restrita a uma coroa de louros; e, hoje, medalhas: o vil metal à porta de casa. E, seguem os confrontos. Tiro que não é tiro. Já não sabe se aquilo é arma ou armadura. E a esgrima. Entoiceirados estocam sabe lá o quê. Gente é que não é aquilo. E nem é espada o que empunham. Mais parece fiação da antiga light. Os Três Mosqueteiros se contorcem as voltas nas catacumbas.

Outros esportes que deveriam se apresentar sequer beiram calendas. Caso de cuspe à distância, diz Mané dos cafundós. E por que não? Aqui se cospe muito e de desgosto, brada contrariado. E saltar de marcha-ré até perder-se de vista. E chutar ao mesmo tempo com os dois pés sem cair. Bach, tchê! Essa não. E jogo de bolita de gude, então. E bocha no gramado. Está, sim, tentação de infância. Corrida de graxaim, e de marrecos. E por que não, desfile de salto alto.

Olimpíadas do diabo, eis que nos põe a ver navios. E que deslavados navios. Enquanto isso o Rio de Janeiro contínua lindo… Versos de Gilberto Gil. Eterno Rio de Janeiro: tropical nos morros, favelas e esparsos tiroteios dia e noite, noite e dia. Lagoa Rodrigo de Freitas. Menos mal. Assim quem sabe se ganha uma medalha, mesmo que azulada pela ferrugem da lagoa. E haja ferrugem! E, sobretudo, coragem. Muita coragem nesta hora, amigos, pois tempo ruim não espera por ninguém. E por fim – cá entre nós -, quem tem Gisele a desfilar, precisa acaso de abertura.

Onévio Zabot – Joinville, 6 de agosto, 2016

I Concurso Nacional de Poesias – Café com Poema

 

Estão abertas as inscrições para o 1º Concurso Nacional de Poesia – Café com Poemas. O objetivo é selecionar, em âmbito nacional, poemas com temática livre para a publicação de uma antologia poética, intitulada “Antologia Poética Café com Poemas – Volume 1”.

concurso poesiasOs poemas terão que ser inéditos (Considera-se inédito o poema que não tenha sido publicado ou divulgado em qualquer meio de comunicação). O período de inscrições vai de 08 de julho a 01 de setembro de 2016.

Confira mais informações a seguir: https://drive.google.com/file/d/0B_NPlMKDsDxhZ2NfOGNiT1J0czQ/view

https://drive.google.com/file/d/0B_NPlMKDsDxhZ2NfOGNiT1J0czQ/view

Participem e boa sorte!